A rosa é a flor associada a Deusa Afrodite e sua origem mitológica conta a história de como a Deusa Cibeles criou a rosa, em represália a uma competição de beleza com a Deusa do amor Afrodite. Já, segundo uma lenda islâmica, a rosa branca nasceu do suor exalado por Mahoma, quando este subiu à montanha sagrada.
No cristianismo, a rosa teve um papel importante. A Virgem Maria era representada por uma rosa que simbolizava o mistério da vida. Os alquimistas acreditam que a rosa era o único ingrediente que compunha o elixir da eterna juventude. E, os cavaleiros da Tábua Redonda à essa flôr como representação do Santo Graal.

COMO PLANTAR ROSAS:
Assim como a maioria das flôres as rosas necessitam:
1. Muito sol – No mínimo 6 horas de sol forte diariamente, menos horas de sol... menos flores.
2. Boa terra – bem drenada, capaz de prender a umidade e enriquecido com compôsto orgânico.
3. Cuidados extras – Regue bem em dias secos para mantê-las hidratadas, aplique fertilizantes específicos para rosas a cada 60 dias.

Plantando rosas:
Mantenha as raizes das rosas sempre úmidas antes de plantar.
Coloque-as em um balde com água morna por uma hora antes de plantar.
Faça um buraco grande para que caiba toda a extensão das raízes.
Coloque o nódulo (uma área mais grossa do caule situada entre a raiz e os bastões) pelo menos 2 polegadas abaixo da linha do solo, e, por fim, preenha o buraco com terra úmida e enriquecida com composto orgânico.

OUTRAS OBSERVAÇÕES IMPORTANTES:
A beleza das rosas tem pelo menos dois inimigos certos: FUNGOS E INSETOS.
Para enfrentá-los, é preciso observar certos detalhes:
1 Observe sempre as roseiras: Fazendo inspeções periódicas é possível identificar qualquer problema ainda no início e tratar logo de combatê-lo;
2 Previna-se: Remediar é bem mais difícil.
Fazendo aplicações periódicas de produtos preventivos (contra fungos, principalmente), os riscos dos ataques serem mais severos ficam reduzidos;
3 Garanta sempre uma boa alimentação: A nutrição é fator fundamental para o bom desenvolvimento das roseiras e sua saúde. Uma fertilizaçãoo orgânica, feita periodicamente, fornece à planta boas quantidade de macro e micronutrientes, tornando-as mais resistentes aos ataques de insetos e doenças.
4 Mantenha o "exército natuaral" de defesa: A natureza é sábia e, juntamente com as pragas, criou também seus amigos:
As joaninhas são excelentes predadoras dos pulgões, os pássaros combatem as lagartas, hortelã plantada nos canteiros espanta as formigas...;

Os Vilões:
Pulgões:
São os mais comuns. Sugadores, causam deformações nas partes atacadas, principalmente brotos novos e botões.
Combata-os, de maneira mais natural, com calda de fumo.
Ácaros:
São quase invisíveis a olho nú e se localizam, em colônias, na parte inferior das folhas, causando grandes prejuízos.
A aplicação de enxofre solúvel pode servir como prevenção.
Trips:
Pequenos insetos voadores que deformam as flores, logo no início da brotação.
Em grandes ataques, podem destruir completamente a planta, por essa razão, necessitam de um controle químico, sob orientação.
Formigas-cortadeiras:
Fazem mais estragos nas folhas e brotos. Iscas formicidas costumam ser bem eficazes.
Besouros:
A variedade é grande, mas as vaquinhas são as que mais destroem as flôres.
Também precisam de combate químico, quando o ataque for grande.
Mofo-cinzento:
Doença causada por um fungo que tem preferência pelas flores e botões.
Costuma ocorrer em épocas de chuvas prolongadas e muita umidade.
Pode-se prevenir o problema com a aplicação de fungidas.
Mofo-branco:
É o famoso oídio, que não escolhe época para atacar.
Os botões e as folhas são os alvos preferidos.
A prevenção pode ser feita com os mesmos fungicidas usados para controlar o mofo-cinzento e o combate é reforçado com enxofre solúvel.
Mancha-preta:
Ataca as folhas, amarelando-as e derrubando-as.
Costuma atacar mais quando há mudanças bruscas de temperatura.
Também pode ser prevenida com fungicidas.
Míldio:
Surge com mais frequência nos períodos quentes, quando há excesso de chuvas.
É uma doença devastadora, capaz de destruir brotos novos e folhas e, se não for controlada, mata mesmo a planta.
Qualquer suspeita de ocorrência deve ser rapidamente combatida com produtos específicos existentes nas casas especializadas em produtos agropecuários.

Use e abuse dos métodos naturais para cultivar suas rosas: Quanto menos produtos químicos forem utilizados, melhor. Assim, você estará mantendo o equilíbrio natural e prevenindo contra problemas que surgem com o manuseio de química.